O coronavírus está no ar? 5 melhores coisas para ler

O coronavírus está no ar? Durante esse temido período de pandemia de coronavírus, muitas perguntas foram feitas com inúmeras não respondidas. 

algumas das perguntas não respondidas sobre a transmissão do coronavírus são divulgadas.

É essencial que você entenda os fundamentos da transmissão de doenças transmitidas pelo ar enquanto lê.

Doenças transmitidas pelo ar são aquelas doenças que são transmitidas pelo ar de pessoa para pessoa ou de animal para animal.

Introdução às doenças transmitidas pelo ar

O ar serve como transportador do agente causador da doença (patógeno). Por exemplo, na infecção por malária, o vetor do patógeno (plasmódio) são mosquitos anopheles fêmeas, enquanto no caso de transmissão aérea, o ar serve como vetor (embora os vetores sejam seres vivos).

Na medicina tradicional, um vetor é um organismo que não causa a doença em si, mas espalha a infecção ao transportar patógenos de um hospedeiro para outro.

Os patógenos transmitidos podem ser qualquer tipo de vírus, fungos e bactérias.

Esses patógenos podem se espalhar em aerossóis, poeira ou líquidos. Os aerossóis podem ser gerados a partir de fontes de infecção, como secreções corporais de um animal ou pessoa infectada.

Os aerossóis infectados podem ficar suspensos nas correntes de ar por tempo suficiente para viajar por distâncias consideráveis; espirros, por exemplo, podem facilmente projetar gotículas infecciosas a uma distância de mais de 14 pés.

A maioria dos patógenos transportados pelo ar causa inflamação no nariz, garganta, seios nasais e pulmões, causando dificuldades respiratórias.

Congestão nasal, tosse e dores de garganta são exemplos de inflamação das vias aéreas superiores devido a esses agentes transportados pelo ar.

Doenças transmitidas pelo ar também podem afetar não-humanos. Por exemplo, a doença de Newcastle é uma doença aviária que afeta muitos tipos de aves domésticas em todo o mundo, que é transmitida por contaminação aérea.

Sintomas do coronavírus

Muitas vezes, patógenos transportados pelo ar causam inflamação no nariz, garganta, seios nasais e pulmões das vias aéreas superiores. A inflamação das vias aéreas superiores causa congestão de tosse e dor de garganta.

Congestão nasal, tosse e dores de garganta são exemplos de inflamação das vias aéreas superiores devido a esses agentes transportados pelo ar.

As infecções transmitidas pelo ar geralmente ocorrem por via respiratória, com o agente presente em aerossóis (partículas infecciosas <5 µm de diâmetro).

Isso inclui partículas secas, geralmente os restos de uma partícula úmida evaporada chamada núcleo, e partículas úmidas. Esse tipo de infecção geralmente requer ventilação independente durante o tratamento. ex., tuberculose.

A doença transmitida pelo ar pode se espalhar quando as pessoas com certas infecções tossem, espirram ou falam, expelindo secreções nasais e da garganta no ar. Alguns vírus ou bactérias voam e ficam suspensos no ar ou pousam em outras pessoas ou superfícies.

Eu conheço esta pergunta "O coronavírus é transmitido pelo ar?" ainda soa em sua cabeça, espere pacientemente que estamos indo para lá.

Quando você respira organismos patogênicos no ar, eles passam a residir dentro de você. Você também pode pegar germes ao tocar uma superfície que os abriga e depois tocar seus próprios olhos, nariz ou boca, como no caso do covid-19.

Devido ao modo de transmissão de patógenos transportados pelo ar, eles são muito difíceis de conter. 

O coronavírus está no ar?
o coronavírus não é transmitido pelo ar, mas são recomendadas precauções no ar

O coronavírus está no ar?

Já é hora dessa pergunta de “o coronavírus está no ar?” é respondido Das evidências coletadas até agora, a covid-19 não está no ar

Ao contrário da tuberculose e da varicela, que circulam no ar, a transmissão do COVID-19 ocorre principalmente por meio de gotículas respiratórias que podem espalhar o vírus e causar infecção em outras pessoas por contato.

A transmissão por gotículas ocorre quando uma pessoa está em contato próximo (a menos de 1 m) com alguém que apresenta sintomas respiratórios (por exemplo, tosse ou espirro) e, portanto, corre o risco de ter suas mucosas (boca e nariz) ou conjuntiva (olhos) expostas a gotículas respiratórias potencialmente infecciosas.

A transmissão também pode ocorrer através de fômites no ambiente imediato ao redor da pessoa infectada.

Portanto, a transmissão do vírus COVID-19 pode ocorrer por contato direto com pessoas infectadas e contato indireto com superfícies do ambiente imediato ou com objetos utilizados na pessoa infectada (por exemplo, estetoscópio ou termômetro).

A transmissão aérea é diferente da transmissão por gotículas, pois se refere à presença de micróbios dentro dos núcleos das gotículas, que geralmente são consideradas partículas <5μm de diâmetro, podem permanecer no ar por longos períodos de tempo e serem transmitidas a outras pessoas a distâncias maiores. do que 1m.

Quando alguém tosse, espirra ou fala, essas gotículas podem infectar outra pessoa se entrarem nas vias aéreas.

As gotículas normalmente não viajam mais de seis pés (cerca de dois metros) e não permanecem no ar.

Uma distância social de 6 pés pretende protegê-lo contra infectar outra pessoa ou ser infectado. Ainda assim, o CDC agora está recomendando o uso de máscaras em público.

Embora o COVID-19 não seja considerado transmitido pelo ar, pode haver alguns casos em que o vírus pode atuar como uma doença transmitida pelo ar. Isso inclui certos ambientes clínicos nos quais as pessoas estão recebendo tratamento médico intensivo.

Em situações usuais, o SARS-CoV-2 é disseminado por gotículas respiratórias depois que uma pessoa tosse ou espirra, mas essas gotículas são maiores do que o que é considerado no ar.

As coisas que sabemos sobre o coronavírus estão mudando espontaneamente porque não há compreensão total desse vírus, é essencial e as precauções recomendadas no ar são tomadas. Essas incertezas levaram a este artigo de “O coronavírus está no ar?”

O coronavírus está no ar?

Para prevenir a transmissão, a OMS recomenda um conjunto abrangente de medidas, incluindo:

  • Identifique os casos suspeitos o mais rápido possível, teste e isole todos os casos (pessoas infectadas) em instalações adequadas
  • Coloque em quarentena todos os contatos próximos de pessoas infectadas e teste aqueles que desenvolverem sintomas para que possam ser isolados se estiverem infectados e precisarem de cuidados
  • Use máscaras de tecido em situações específicas, por exemplo, em locais públicos onde haja transmissão comunitária e onde outras medidas de prevenção, como distanciamento físico, não sejam possíveis
  • Praticar o uso de precauções de contato e gotículas por profissionais de saúde que cuidam de pacientes suspeitos e confirmados de COVID-19 e usar precauções aéreas quando procedimentos geradores de aerossóis são realizados
  • Uso contínuo de máscara médica por profissionais de saúde e cuidadores que trabalham em todas as áreas clínicas, durante todas as atividades de rotina durante todo o turno
  • Em todos os momentos, pratique a higiene frequente das mãos, distanciamento físico de outras pessoas quando possível e etiqueta respiratória; evite lugares lotados, ambientes de contato próximo e espaços confinados e fechados com pouca ventilação; use máscaras de tecido quando estiver em espaços fechados e superlotados para proteger os outros; e garantir uma boa ventilação ambiental em todos os ambientes fechados e limpeza e desinfecção ambiental adequadas.

Eu conheço essa pergunta de “O coronavírus está no ar?” é coisa do passado...

Vai lhe interessar ler

As 10 melhores maneiras de prevenir doenças não transmissíveis

10 princípios de controle de infecção

Quais são os efeitos da poluição na saúde humana e na prevenção?

9 Melhores Formas de Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis